5 motivos para maratonar “Freaks and Geeks” nesse final de semana!

Freaks and Geeks é o tipo de programa aclamado pela crítica pela qualidade do produto, mas não resistiu à baixa audiência e se encerrou na primeira temporada. A série estreou no final dos anos 90 e tem sua história ambientada na década de 80, sendo repleta de referências da cultura pop e que serviu de vitrine para atores como Seth Rogen e James Franco. Listamos 5 motivos para você maratonar essa série maravilhosa no seu final de semana.

5.Provavelmente, uma das produções que retratam bem o que era ser um Geek/Nerd

Apesar do contexto e ambientação (a trama acontece nos EUA), houve um tempo em que ser Geek ou Nerd não era tão cool assim como atualmente. Na série, vemos um grupo de amigos rotulados de geeks pelos colegas de escola e seus desafios no cotidiano. Desde a garota dos sonhos à ser respeitado num ambiente hostil, aquilo que é considerado “normal” para crianças na idade do trio geek da série Sam Weir, Neal Schweiber e o mais “nerd raiz” do grupo, Bill Haverchuck, com toda a certeza você vai se encantar com o carisma dos personagens.

 

 

4.Um drama teen equilibrado

Do outro lado temos o grupo dos freaks ou os adolescentes desajustados. A turma que é considerada o exemplo do que não se deve seguir ou fazer, dado que todos devem focar no seu desempenho acadêmico para conseguirem ingressar numa boa instituição de ensino superior. Isso envolve mais empenho do estudante, indo além das boas notas: apresentar um comportamento exemplar, algo que sempre vemos em filmes e séries do gênero. Nesse grupo vemos a irmã do Sam, Lindsay Weir, campeã dos torneios de matemática da escola (matematleta) que após a morte de sua avó, adota comportamentos opostos ao convencional, o que a leva entrar em conflito com seus pais. A personagem passa a questionar esse modelo imposto e todo o desenvolviment e transição de garota exemplar a freak é bem interessante, sem cair em clichês dramalhões no estilo “Malhação”.

 

3.Temas mais críveis e bem elaborados

Os anos 90 foram um período repleto de séries com núcleo de personagens adolescentes: Barrados no Baile, Dawson’s Creek e The O.C, dentre outros. Muitas destas, inclusive, serviram de trampolim para artistas alcançarem trabalhos mais relevantes e desenvolverem sua carreira. Particularmente, não lembro de ser cativado por nenhuma destas; talvez eu não me identificasse tanto com os problemas vividos pelos personagens, mas isso é gosto pessoal. Em Freaks and Geeks acontece o contrário. Mesmo sendo uma realidade e cultura bem diferente da nossa, alguns temas são universais, fato bem explorado na série. Os pais dos irmãos Weir são um bom exemplo disso: um casal que mantém uma relação desgastada e que parece estar se mantendo com a finalidade de manter as aparências, por conta de um contexto social que exige a manutenção desse status de família exemplar. Os dramas de Lindsay em sair da sua zona de conforto, questionar padrões impostos e toda a insegurança sobre o futuro, e a dificuldade em compartilhar com seus pais muitos de seus anseios e angustias (já que os mesmos não dão abertura para tal) não é algo tão distante da realidade de muitos. A maior parte dos personagens possuem camadas psicológicas que vão se adensando a cada episódio, aumentando gradativamente a nossa empatia por eles. Às vezes, a sensação é de que poderia se aprofundar mais em alguns arcos que se abrem durante a história, mas que são compensados pelas atuações criveis por parte do elenco. Até o personagem do Seth Rogen (Ken Miller), que aparece pontualmente, consegue entregar uma interpretação que cativa. Quem nunca teve um colega ou um amigo que parece estar se lixando para o mundo e sempre tem uma piada ou uma resposta ácida na ponta da língua?

 

2.É sobre amizade também e você vai gostar!

Se você não está aguentando a espera para o lançamento da segunda temporada de Stranger Things e rever os carismáticos personagens Eleven, Mike, Dustin, Will e Lucas, assista Freaks and geeks. Mas qual a relação? Justamente o núcleo de personagens que possuem uma dinâmica muito parecida. Conflitos que colocam em xeque a relação entre eles mas que servem para o fortalecimento da amizade, a cumplicidade, a camaradagem e tudo isso dentro do contexto de uma época. Sim, as duas séries se passam na década de 80 e são recheadas de referências da cultura pop, tanto na música quanto no cinema.

 

1.Uma das melhores séries do gênero

Bom, essa é uma opinião de quem formulou os 5 motivos. Mas não chega a ser um excesso. A trama é muito bem desenvolvida como citada anteriormente, aborda temas sem recorrer a clichês ou pecar por estereótipos. Esse, inclusive, é um ponto interessante, já que os Geeks parecem ter uma maturidade superior a muitos dos outros personagens – em algumas passagens, até mesmo que os adultos. A jornada da Lindsay é marcada pela sua postura de ir de encontro a comportamentos naturalizados, como o machismo do pai com relação a sua mãe; sua transição para o grupo dos Freaks e sua adequação a este grupo que acaba servindo como um eixo que trás equilíbrio entre os membros, colaborando em mudanças importantes. Poderia apresentar muitos outros motivos para convencê-lo a; talvez os apresentados aqui nem sejam tão persuasivos a ponto de fazer você decidir por maratonar a série, mas garanto, você não vai se arrepender.