Godzilla (Parte 2) – Cidade no Limiar da Batalha

Olha nós aqui novamente, para falar sobre Godzilla! Tendo sua estreia em julho de 2018 em terras brasileiras, ‘Godzilla – Cidade no Limiar da Batalha’ emenda o finalzinho do primeiro filme  – SPOILLER ALERT -, quando o capitão Haruo e sua equipe são atacados pelo “Godzilla primordial” logo após vencerem uma batalha terrível contra o “filhote” do kaijuu – filhote com muitas aspas, porque isso não é explicado em momento algum da trama, complicando minha escolha de palavras…

A segunda parte começa bem, mostrando as baixas humanóides e de maquinário da equipe de Haruo, bem como a exploração do novo planeta Terra – que parece ter evoluído em prol do Godzilla nos últimos 20 mil anos*, sendo potencialmente inabitável para humanos (até o ar não é adequado) – e o reagrupamento da equipe. Alguns membros se recusam a ficar em terra, optando por retornar à nave-mãe – que possui uns “serumaninhos muito legais”, que tendem a tomar decisões deveras questionáveis sobre a equipe de exploração e o planeta em si.

De cara, logo após o sopro energético do Godzilla primordial, Haruo acorda e percebe que recebeu cuidados médicos de um humanoide que não pertence ao seu grupo. À medida em que a exploração avança, somos apresentados a uma nova civilização (humana?) terráquea, com peculiaridades nas comunicações e na tecnologia. As demais descobertas do grupo levam às decisões estratégicas que podem mudar o rumo dos sobreviventes das destruições planetárias do kaijuu.

Como seria desinteressante explicar detalhadamente o filme, vamos às análises! A fluidez da animação ainda me incomoda, mesmo tendo melhorado, e eles repetem o erro do filme anterior – o enredo demora de deslanchar, se arrastando no segundo ato e me fazendo, novamente, parar a reprodução diversas vezes antes de finalizar. Pra variar, eles deixam o melhor pro final e pra cena extra, que promete um terceiro filme, no mínimo, envolvente.

Sendo bem sincera, eu acredito que essas duas primeiras partes poderiam ser mais enxutas, o que tornaria o enredo mais dinâmico. Ainda assim, curiosa que sou, assistirei a parte final, com esperanças de um futuro melhor pra Haruo e sua equipe.

*Ver a teoria do paradoxo dos gêmeos. É uma experiência que envolve a dilatação do tempo, um dos principais elementos da Teoria da Relatividade. Einstein mostrou que a velocidade pode deformar o tempo: se um gêmeo viaja pelo espaço a grandes velocidades e o outro fica na Terra, o tempo passa mais devagar para aquele que está no espaço.
Bianca Cardeal
Sobre Bianca Cardeal 20 Artigos
Médica Veterinária, entusiasta do projeto Zero Dawn, chefe do P&D da Capsule Corp e a única Luffana que tornou-se Griffana em toda a história de Hogwarts.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.