Kakegurui: um bom shonen para se acompanhar

Uma das coisas que mais me fascinam nos mangás e animes é a versatilidade de enredo. A categorização dos estilos e gêneros facilitam a geração da imensa variedade de peças que compõem esse leque. Como sempre, tentamos diminuir a quantidade de livros, filmes e séries na nossa longa lista de espera – e falhamos miseravelmente. Tento, sempre que possível, priorizar as “meninas dos olhos”, que, no meu caso, são animes que tenham algo escolar.

Passeando pela lista, encontrei Kakegurui, um shonen que possui enredo que se passa numa escola de ensino médio e que possui aspectos muito esquisitinhos no ensino: o incentivo aos ditos jogos de azar, que envolvem apostas monetárias, por exemplo. Como é um tema extremamente incomum e percebi uma certa “demanda cosplayer” pelos personagens, fiquei curiosa em conhecer a história. Me joguei.

Yumeko Jabami, a protagonista, adentra na escola justamente pelos jogos de azar, mas não pelo dinheiro. Seu objetivo é sentir a adrenalina e as emoções decorrentes de uma possível derrota ou numa virada espetacular nos jogos que envolvem grandes somas em dinheiro. Jabami é muito inteligente e sagaz, e sua estreia no colégio provoca uma onda de admiração, inveja e raiva dentre os estudantes do grêmio (a elite) e os que desejam, um dia, fazer parte do mesmo.

À medida em que Jabami vai jogando, mais a sua capacidade de adaptação vai aparecendo, destacando seu rápido raciocínio e tomada de decisões. Entretanto, como nem tudo são flores, o anime tem alguns aspectos muito desagradáveis. Com uma bela arte, era de se esperar uma produção muito bonita visualmente. Não que isso não ocorra, mas a sexualização de emoções é absurdamente evidente na protagonista – toda vez que ela se empolga durante uma partida, sua expressão facial se transforma numa euforia orgásmica esquisita e incoerente para a situação… Se não fosse esse detalhe sórdido, o anime teria um bom lugar ao sol, mas perde muitos pontos no meu “Hall da Fama”. Ainda assim, se você não se chocar com tais cenas, é uma história que vale a pena conferir no catálogo da Netflix.

Bianca Cardeal
Sobre Bianca Cardeal 20 Artigos
Médica Veterinária, entusiasta do projeto Zero Dawn, chefe do P&D da Capsule Corp e a única Luffana que tornou-se Griffana em toda a história de Hogwarts.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.