Maior que o antecessor, ‘Deadpool 2’ é mais divertido e pesado

Deadpool 2 chega para nós dia 17 de Maio com classificação 18 anos. Então, senta aqui e vamos conversar… Nós já sabemos que a vibe do nosso anti-herói favorito não é de um filme cult nem normal, na verdade… Então não vá esperando consistência e roteiro.

Neste filme, nosso intérprete redimido, Ryan Reynolds, continua a vida de mercenário, ganhando para dizimar os piores criminosos. Segundo a sinopse mais zoada do universo, Deadpool embarca em uma jornada que envolve ninjas, a Yakuza e uma alcatéia de cães ferozes, enquanto procura reacender o gosto pela vida e aprende a importância da família.

As coisas estão diferentes dos quadrinhos, é fato, mas toda a essência do personagem está traduzida ali e mesmo que, em primeira mão, isso possa incomodar desde o primeiro filme, não é um motivo válido para anular a produção, diante do que nos foi entregue.

Realmente, há a busca pela vida e a importância da família, só que no melhor estilo Deadpool. O longa está muito mais pesado do que o anterior, mais recheado de referências e chegamos em um ponto do texto que não sei mais o que posso falar sem ser classificado como spoiler então vamos partir para o elenco, música e CGI.

 Não sei sobre vocês, mas Ryan está 100% perdoado da minha parte pelos papéis medíocres que apresentou antes. Hugh Jackman está para Wolverine assim como Ryan Reynolds está para Deadpool.

Nossa conterrânea, Morena Baccarin, que interpreta Vanessa, é uma presença linda e divertida, mas a surpresa mesmo é Zazie Beetz (Dominó). Além de ser linda, ter uma presença forte e um carisma imenso, a participação dela é digna de destaque. Vinda diretamente da Alemanha, a filmografia dela data de 2013 – com filmes que, sinceramente, eu nunca ouvi falar, mas que com certeza vou incluir na lista para assistir. Applesauce, comédia | terror vai ser o primeiro da lista.

A música tema do filme é ótima, as pequenas sacadas durante o longa tornam tudo mais divertido. Existem situações nas quais a música não é o que se espera para a situação, mas você entende que é como o próprio personagem assimila tudo aquilo.

 O CGI? Vou jogar a real para você… Eu não sei discernir se está realmente tão bom quanto minha memória acusa ou se o filme me capturou pela empolgação. Fica aí o questionamento.

Sério, eu não sei mais o que falar… Vou dar 5/5 dadinhos, porque esse filme é claramente uma obra do Deadpool e não existe nenhum momento que você fique sem se impressionar, rir ou ficar revoltado.

 

Larissa Bacelar

Larissa Bacelar

Mãe Trekker. Tem como profissão o Design Gráfico e aposta sempre na inteligência e na originalidade como boa pertencente da Ravenclaw.