O fim obscuro de House of Cards

Comunidade

Por Ronan Carvalho

Janeiro de 2013 estreava House of Cards, um drama político, em que apresentava um inescrupuloso congressista americano em busca de poder. O enredo por si só era pouco atrativo, mas olhando para o seu elenco, estava lá nada mais, nada menos, que Kavin Spacey, ganhador de dois oscars, e, na direção, David Fincher, diretor de “A Rede Social” e “O Curioso Caso de Benjamin Button”. A série logo ganhou público e crítica pela sua direção e atuação de seu elenco. Depois de 4 anos, 5 temporadas concluídas, a série recebeu um baque irreversível.

House of Cards pode não ser a primeira produção do serviço de streaming, mas foi a que impulsionou o selo “Original Netflix” e deu carga para produções seguintes. Orange The New Black, Sense8, Stranger Things só foram possíveis graças ao sucesso da série focada em Frank Underwood. Porém, após a matéria do BuzzFeed News, onde o ator Anthony Rapp acusa Kevin Spacey de assediá-lo aos 14 anos de idade, um pedido de “desculpas” desastroso do astro através do Facebook, e também posteriores acusações de assédio de 8 membros da equipe da série, House of Cards se encerra com um gosto muito amargo.

A Netflix anunciou a decisão de demitir Spacey de vez e, cortar qualquer vínculo com o ator. Agora, mais do que nunca, caberá aos showrunners, e a Robin Wright – que deve alçar ao posto de protagonista (e esperamos que com o salário correspondente) – dar um final digno em meio a obscuridade que ficou na série, que nem mesmo o casal Underwood conseguiria se safar.

 

About Ronan Carvalho 30 Articles

Designer, Gamer, Membro da Tropa dos Lanternas Amarelos e morador de Hell’s Kitchen