Turma da Mônica – Laços: uma adaptação digna e cuidadosa

Floquinho, o cachorrinho do Cebolinha, desapareceu. Ele bola mais um de seus planos infalíveis para encontrar seu companheiro, mas vai precisar da ajuda de seus fiéis amigos: Mônica, Magali e Cascão. Juntos, eles irão enfrentar desafios e viver grandes aventuras para levar Floquinho de volta para casa.

 

A Turma da Mônica dispensa apresentações. Criada por Maurício de Sousa, os personagens das tirinhas de jornal ganharam fama e revistas próprias ao longo dos anos, sendo, inclusive, publicadas em outras línguas. Durante a produção de estórias especiais para um livro comemorativo da Maurício de Sousa Produções (MSP), 50 artistas foram chamados para dar novas roupagens à conhecida turminha. A empreitada deu tão certo que mais dois livros, com mais 50 artistas cada, foram publicados. Assim, presenciamos o nascimento do selo Graphic MSP, que, resumidamente, apresenta os diversos personagens de Maurício com nova arte e enredos mais aprofundados – alguns chegam a ser complexos, como a série do Astronauta.

 

O segundo livro do selo Graphic MSP foi Turma da Mônica – Laços, com arte e história de Vitor e Lu Cafaggi, que nos agraciaram com sua arte e com a delicadeza do enredo. Com o sucesso de crítica, a MSP partiu para o outro nível: dar vida de carne e osso aos personagens. Como estamos carecas de saber, adaptações live action de histórias em quadrinhos não costumam ser bem recebidas pelo público, sendo alvo de duros comentários do fandom. De antemão, asseguro-lhes: esse não é o caso.

 

 

A produção foi muito cuidadosa com os mínimos detalhes para transpor cenários, vestimenta e tudo o que torna a Turma da Mônica conhecida mundialmente, fundindo  a turminha clássica com a história dos irmãos Cafaggi. Foram muito felizes também na escolha do elenco adulto e infantil. Fica estranho dizer, mas absolutamente todos estavam muito bem em seus papéis – destaque para Fafá Rennó (Dona Cebola) e Rodrigo Santoro (Louco) dentre os adultos. 

 

Difícil mesmo é dizer qual das crianças se destacou mais, estavam todos muito confortáveis em seus papéis. Kevin Vechiatto (Cebolinha) pode parecer um pouco travado em algumas cenas, mas falar “elado” durante todo o filme não é uma tarefa fácil, e ele faz ainda assim. Giulia Benite conseguiu mostrar a essência da forte personalidade da dentucinha mais famosa do Brasil; Gabriel Moreira nos presenteou com toda a irreverência do Cascão e Laura Rauseo transpôs para a telona a fofa, avoada e comilona Magali. Fora a presença de váááááááários personagens secundários, facilmente reconhecidos pelos leitores.

 

Ainda que você tenha vivido em Marte por todos esses anos e nunca tenha lido ou assistido nada da Turma da Mônica, o filme vale muitíssimo a pena, sendo livre para todas as idades. Leva 5 gloriosos dadinhos e levaria mais um pelo Floquinho VERDE!!!

 

Bianca Cardeal

Bianca Cardeal

Médica Veterinária, entusiasta do projeto Zero Dawn, chefe do P&D da Capsule Corp e a única Luffana que tornou-se Griffana em toda a história de Hogwarts.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.