Vingadores: Guerra Infinita – Seria o filme definitivo de super-heróis?

Por Ronan Carvalho | Revisão textural: Bia Cardeal

Na D23, Kevin Feige declarou que “Vingadores: Guerra Infinita é o maior filme da história da Marvel. O longa será a culminância dos 10 anos de filmes da Marvel. Tudo graças a Thanos”. As palavras de Feige fizeram mais sentido após a exibição do trailer, que já tem inúmeras avaliações e descrições em diversos veículos. Essa será a primeira parte de um grande clímax construído durante os anos, passando por 16 filmes. Entretanto, o filme será REALMENTE definitivo para o gênero?

Primeiramente, vamos à magnitude/audácia da obra: o filme contará com mais de 64 personagens e um dos maiores vilões do universo Marvel. Então sim, o filme terá um grande peso em seu gênero. A casa das ideias criou um bom alicerce lá atrás, quando Samuel L. Jackson deu as caras numa cena pós-créditos de Homem de Ferro (2007), mostrando que o contexto era maior do que pensávamos. E suas pequenas referências e conexões fizeram a Marvel construir pouco a pouco seu universo cinematográfico, influenciando outros estúdios a iniciarem seus próprios universos. A chamada “Fórmula Marvel” funciona dentro do que o estúdio se propõe: entregar um produto de qualidade e entreter o público.

Depois desse clímax, caberá à própria Marvel Studios a sua reinvenção, pois o gênero de filmes de super-heróis virou um lugar comum e confortável para os estúdios. Sendo assim, ao esgotar a tal fórmula, a casa das ideias precisará trazer um novo olhar sobre os seus personagens, talvez deixando suas piadas e humor (muitas vezes excessivo) um pouco mais de lado e imprimindo mais drama e seriedade aos heróis. O mundo do entretenimento mudou ao longo de uma década. É chegada a hora de mudar novamente.

Sobre Ronan Carvalho 83 Artigos
Designer, Gamer, Membro da Tropa dos Lanternas Amarelos e morador de Hell's Kitchen